Logan é uma carta de amor aos fãs do personagem nos cinemas. O efeito Deadpool nas produções dos mutantes comandados pela 20Th Century FOX, acabaram ganhando em qualidade criativa e a última performance de Hugh Jackman como Wolverine é privilegiada com um filme com roteiro icônico.

Igualando-se às aventuras do personagem nos quadrinhos, Logan apresenta um desempenho único de Hugh Jackman, que dificilmente será superado por outro ator ou outra produção dos X-Men nos Cinemas. Um dos primeiros acertos do filme está na trama que desenvolve-se perfeitamente ao longo de 2 horas e 17 minutos de filme. Em Logan, vemos um Wolverine lidando com os acontecimentos de X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido, responsável por alterações importantes na timeline dos filmes da FOX.

Com elenco enxuto, Logan foca em Wolverine, mesmo apresentando personagens interessantes como a jovem X-23. Toda a trama desenvolve-se nos levando há um grande desfecho, a luta interna de Logan consigo mesmo.

No filme, um cansado Logan cuida do doente Professor Xavier em um esconderijo na fronteira mexicana. Mas as tentativas de Logande se esconder do mundo e de seu legado são interrompidas com a chegada de uma jovem mutante, perseguida por forças sombrias.

Logan explora a entrada de uma importante personagem dos quadrinhos, Laura Howlett, a X-23. Peça fundamental nas histórias dos X-Men nos quadrinhos, X-23 pode garantir a continuação da franquia dos mutantes nos cinemas, já que diversas oportunidades poderão ser exploradas com a estreia da personagem. A  X-23 fez sua primeira aparição em X-Men: Evolution no episódio 41 em 2003, posteriormente após seu grande sucesso com os fãs, ela fez sua primeira aparição na revista NYX #3 em 2004, criada por Craig Kyle e Christopher Yost. Criada do mesmo material genético do Wolverine, X-23 possui parentesco com importantes personagens dos quadrinhos, sendo o Dentes de Sabre seu tio e Daken, seu irmão mais velho.

Além de ser a despedida de Hugh Jackman de seu icônico papel, Logan, preocupa-se em apresentar desfechos adequados à todos os personagens que são apresentados ao longo do filme, não deixando brechas abertas para futuras especulações, diferentemente dos X-Men Origens: Wolverine (2009) e Wolverine Imortal (2013), Logan é um grande desfecho quase autoral.

A direção de James Mangold, responsável por Wolverine Imortal corrige todos os erros no tom do personagem em outros filmes da franquia mutante e fica evidente que o roteiro procura colaborar com o legado construído ao longo de 17 anos nos cinemas. Os fãs do Wolverine finalmente poderão ver uma performance digna do legado do personagem nos quadrinhos, é apenas uma pena que essa performance merecedora de elogios tenha encontrando seu tom, apenas 17 anos após a estreia do personagem nos cinemas e em seu trabalho de despedida. Quantas oportunidades não foram desperdiçadas na tentativa de atingir um público maior nas bilheterias.

Logan é simplesmente um desfecho digno ao personagem mais cativante das história dos mutantes da Marvel e que deve ser aplaudido no final de sua exibição e lembrado por todos. É uma carta de amor e respeito aos fãs.

Nota: ✩✩✩✩✩

Título: Logan
Título Original: Logan
Estúdio: 20th Century FOX
Lançamento: 02 de Março de 2017
Gênero: Ação, Ficção Científica, Aventura
Duração: 2h17min
Elenco: Hugh Jackman, Patrick Stewart, Dafne Keen, Boyd Holbrook, Stephen Merchant, Richard E. Grant, Eriq La Salle, Elise Neal, Krzysztof Soszynski, James Handy, Lauren Gros, Vanessa Cloke, James Moses Black, Jean-Claude Leuyer e Keith Jardine
Direção: James Mangold
Roteiro: James Mangold, Michael Green, Scott Frank e James Mangold
Produtores: Hutch Parker, Lauren Shuler Donner, Simon Kinberg, Stan Lee e James Mangold

Leia mais sobre Wolverine