Séries de TV

Powerless – 1X02: Wayne Dream Team | Crítica

Se há um conselho que os produtos de Powerless precisam aceitar, é encontrar uma forma da série agradar pelo menos um público segmentado, os fãs de quadrinhos. O desastroso episódio piloto de Powerless que marcou a estreia da primeira comédia da DC na TV, foi quase um desastre (salvo a intenção de agradar e abertura da série). A série apresenta uma interessante, mas que não tem se mostrado assertiva perante o público. E uma série não é produzida simplismente para demonstrar o seu alto nível de qualidade (que não é o caso), mas para garantir o retorno comercial para uma emissora de TV e atender uma demanda de um público grandioso, como os fãs de adaptações de histórias em quadrinhos e aqueles que buscam apenas uma boa comédia para se entreter.

Powerless tem sérios problemas de identidade. A série se diz ser uma comédia, mas flerta com situações constrangedoras e que não agradam o público, o que culmina em grandes questionamentos técnicos, que se inicia nos roteiros até atuação do elenco.

A série se passa na cidade de Charm City, cidade que abriga Wayne Security, subsidiária da Wayne Enterprises, cujo foco é desenvolver produtos que possam dar aos cidadãos da cidade um pouco mais de segurança, diante de tantos problemas com os prejuízos causados com vilões e heróis.

No segundo episódio, Emily Locke (Vanessa Hudgens) precisa motivar sua equipe de criadores da Wayne Security para criarem mais um produto capaz de proteger os cidadãos de ações dos vilões, desta vez um guarda-chuva anti-destroços. Além da criação da semana Emily precisa buscar uma maneira de motivar sua Equipe que ainda não demonstra confiar na personagem e ainda acabar com a obsessão no jogo Fantasy Super Hero League. Van Wayne (Alan Tudyk) continua tentando seu lugar ao sol ao olhos de Bruce Wayne e sua famigerada promoção para Gotham. Essa sua obsessão, rendeu alguns momentos interessantes no episódio, o que poderia redefinir o futuro da série, mudando o foco de alguns personagens.

Em pouco mais de 30 minutos, Powerless não consegue entregar uma série de comédia que nos faça achar engraçado dos momentos cômicos, a série tem uma problemática a ser resolvida o mais breve possível, uma vez que isto já interfere na audiência da série. Segundo dados preliminares, o segundo episódio registrou uma queda de 2,5 milhões de espectadores, uma queda considerável, porém justificada. O grande desafio de Powerless é se encontrar e mostrar momentos verdadeiramente engraçados e não clichês e constrangedores.

O vilão da semana foi reaproveitado do último episódio, Jack O’Lantern faz uma breve aparição no episódio da semana, mas é compreensível que ele não receba tanto destaque uma vez que a série não tem a intenção de focar nos vilões e sim nas consequências dos atos de heróis e vilões à população de Charm City.

Sendo o segundo episódio, Powerless ainda tem muito o que mostrar e pode ainda se recuperar e apresentar para o que veio, desde que consiga apresentar ao público sua verdadeira identidade, pois o que mostrou até agora foi uma série desorganizada com personagens superestimados e sem identidade.

Nota: ✩✩

Título: Powerless
Título Original: Powerless
Episódio: 1X02 – Wayne Dream Team
Exibição: NBC (EUA) | Warner (Brasil)
Lançamento: 09 de Fevereiro de 2017 (EUA)
Elenco: Vanessa Hudgens, Alan Tudyk, Danny Pudi, Christina Kirk, Ron Funches, Jennie Pierson, Marc McClure, Bill A. Jones, Josh Breeding, Kimani Ray Smith, Atlin Mitchell e Graeme Duffy
Direção: Marc Buckland
Roteiro: Dean Lorey
Produtores: Ben Queen e John Myrick

Leia mais sobre Powerless